o fim da picada

Neste local, o ramal Jurubatuba da Estrada de Ferro Sorocabana, ou aquilo que sobrou dele, cruza em nível com a estrada da Barragem, no extremo sul de São Paulo.

o fim da picadafoto: junho/2010

Por aqui passavam trens rumo ao litoral, após terem atravessado a cidade percorrendo o trecho paralelo ao rio Pinheiros, conhecido hoje como linha 9-Esmeralda da CPTM.

Alguns quilômetros ao sul desta foto está o tronco principal da Estrada de Ferro Mairinque-Santos (EFMS), concedida até 2028 à gigantesca América Latina Logística.

Transporte ferroviário só é levado a sério no Brasil para servir aos interesses privados. Milhares de toneladas de soja, arroz e outros grãos passam todos os dias pela EFMS rumo ao porto de Santos. Viaje pelo interior de Minas Gerais e verá, por todos os lados, trens carregados de minérios circulando por estradas de ferro particulares de empresas mineradoras, muitas delas multinacionais.

A eficiência e os baixos custos do transporte ferroviário são muito bem conhecidos por aqui. Mas só funcionam se for em benefício do grande capital.

Quando não é o caso, a infraestrutura já existente é abandonada para favorecer o transporte sobre pneus. Seu destino é apodrecer e acabar coberta de mato ou asfalto.

2 Comentários

Arquivado em mundo concreto

2 Respostas para “o fim da picada

  1. Pingback: canguera « vento na cara

  2. Pingback: estacionamento gratuito | vento na cara

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s