Arquivo da tag: zona norte

cruz da babilônia

A Cruz da Babilônia é uma série de quatro roteiros que, projetados sobre a sinistra mancha de concreto, formam uma intrigante figura.

imagem: Google Earth

Os quatro destinos, Evangelista de Souza, Taiaçupeba, Canguera e Jarinu, estão a mais ou menos setenta quilômetros contados a partir da Praça do Ciclista, em São Paulo. Todos eles estão também relativamente próximos a uma estação de trem, o que nos finais de semana pode facilitar a volta.

Evangelista de Souza, o braço sul da Cruz da Babilônia, é uma vila ferroviária abandonada no extremo sul do município, no distrito de Engenheiro Marsilac. Nesta viagem você não sai do município em momento algum, mas vai pedalar por um bom tempo na área rural de São Paulo. É um trajeto predominantemente plano, apenas com algumas subidas longas na Avenida Teotônio Vilela.

Taiaçupeba, o braço leste da Cruz da Babilônia, é um bairro de Mogi das Cruzes, já bem próximo à divisa com Bertioga, no alto da serra. Para chegar lá você atravessa a imensa zona leste paulistana e alguns municípios pequenos, sem sair da Região Metropolitana de São Paulo. É o trajeto mais plano e fácil dos quatro, atravessando a zona leste pela ciclovia.

Canguera, o braço oeste da Cruz da Babilônia, é um bairro de São Roque localizado no final da Estrada do Vinho, em uma região de pequenas serras. Nesta viagem você atravessa vários municípios da Região Metropolitana e finalmente sai dela por Itapevi. Dos quatro, é o trajeto de maior ascensão total e também o que tem a subida mais inclinada, já bem perto do destino.

Jarinu, o braço norte da Cruz da Babilônia, é um município localizado entre Jundiaí e Atibaia, totalmente fora da Região Metropolitana de São Paulo. É talvez a viagem mais tranquila das quatro, e apesar de a ascensão total ser relativamente grande, não há subidas muito inclinadas. É também um trajeto muito agradável, com paisagens naturais variadas.

Precisando tomar vento na cara? Basta escolher uma direção. Foi assim que nasceram estas quatro viagens.

4 Comentários

Arquivado em bicicleta

jarinu

O arraial de Campo Largo, hoje município de Jarinu, foi fundado no século XVIII e já pertenceu a Atibaia e a Jundiaí. Faz parte de uma região turística denominada Circuito das Frutas, e promove anualmente a Festa do Morango no fim do mês de junho. A região tem também diversos alambiques e chácaras que vendem mel, frutas e produtos caseiros.

Este roteiro, apesar de ter algumas subidas de dificuldade média, vai por lugares bastante tranquilos. Passado o trecho urbano, há acostamento seguro praticamente o tempo todo, e a condição das estradas é muito boa.

Partindo da Praça do Ciclista, o trajeto sai inicialmente na direção da Lapa, e então toma o rumo norte passando pela Lapa de Baixo, ponte do Piqueri e um atalho que vai te deixar na Raimundo Pereira de Magalhães próximo ao local que foi cogitado para o estádio Piritubão, já bem adiante de uns trechos perigosos. Essa avenida já é a SP-332 (estrada velha de Campinas), e tem tráfego intenso mas suportável até a região de Taipas. Há então uma longa descida até Perus, passando pelo início do Rodoanel.

Logo após a primeira entrada de Caieiras, você estará numa região alta e verde, com vista para praticamente todas as direções. Verá o Pico do Jaraguá já distante, desde um ponto de visão oposto ao da capital. Perto do centro de Caieiras há uma passagem em nível sobre a ferrovia, o que é lamentável para uma estrada estadual com bastante tráfego. (Enquanto não fica pronto o viaduto, a cancela fecha e os motoristas ficam parados o tempo suficiente para sentir raiva das ferrovias, que tanto atrapalham seus sonhos de liberdade.)

Passada a divisa de Franco da Rocha há uma boa subida, depois um trecho relativamente plano, e então uma descida longa e divertida que vai terminar na SP-354. Aqui a paisagem muda outra vez, você está cercado de mato e logo estará fora da Região Metropolitana de São Paulo, no município de Campo Limpo Paulista. Já terá pedalado por mais de duas horas, pense numa parada para alimentação (leve seu lanche!).

No centro de Campo Limpo Paulista, você atravessa um pequeno trecho urbano. Siga placas na direção de Jarinu. De volta à estrada, há algumas subidas um pouco longas mas relativamente leves, exercite a paciência! Logo no primeiro trevo, entre em Jarinu e descanse pedalando, enquanto observa o ritmo tranquilo e aconchegante da cidade.

foto: maio/2012

Seguindo por uma rua cheia de comércio, chegará à praça da matriz: coreto, crianças brincando, bancos de madeira, um lago com fonte e alguns bêbados. Informe-se e encontre um lugar para uma refeição. Você terá pedalado aproximadamente 73km.

A volta pode ser feita pelo mesmo trajeto ou seguindo pela SP-354 até a SP-348 (rodovia dos Bandeirantes). Se for sábado à tarde ou domingo, existe a opção de pegar o trem em Jundiaí. Siga pela estrada municipal JAR-030, que é muito bonita. Depois de alguns bairros, encontrará a SP-360. Siga indicações, e você estará num ramal dessa estrada que te deixará bem próximo ao centro de Jundiaí.

Jarinu é o braço norte da Cruz da Babilônia.

1 comentário

Arquivado em bicicleta