chuva

Gente se espreme sob as marquises, motociclistas vestem suas capas, ônibus fecham as janelas, ciclistas aceleram para esquentar, pois encharcar-se é inevitável.

Quem pensava em ir a pé ou de transporte público tem agora uma boa desculpa para ir de carro, caso tenha um.

O chão vai lavando, o ar refresca, as agendas bagunçam.

Atrasos são tolerados. Nada como fenômenos naturais para culpar pelas mazelas do sistema de transporte.

Água dissolve dilemas. Agora não dá, vou quando passar. Deixa pra amanhã.

Depois que para, ficam reflexos, aromas, correntes.

Buscam o rio, depois outro rio, até o mar.

Penetram na terra, nas vidas, nas conversas, nos projetos.

Em terra de máquinas, ficam mais humanas as pessoas molhadas.

1 comentário

Arquivado em cultura urbana

Uma resposta para “chuva

  1. Dalva Bueno

    Delícia de texto. Tem cheiro de chuva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s